quarta-feira, abril 26

Quando deixamos de dar banho aos nossos filhos...

Há coisas maravilhosas que fazemos e temos vontade de partilhar com toda a gente. Toda a gente gostaria de ser uma fonte de inspiração, a perfeição que muitos idealizam.
No entanto, a realidade por detrás dos ecrãs é muito mais do que uma foto bonita ou uma história inspiradora. Afinal, a história da nossa vida, é composta por inúmeras cenas.

Entre uma das cenas dos últimos episódios encontra-se uma da qual não me orgulho nada, mas que tendo consciência dela, quero corrigir. Deixo a partilha por ser uma cena do quotidiano, e para alertar as mães que tal como eu, também podem passar por situações idênticas.

O Gabriel está crescido. Faz tanta coisa sem ajuda e muitas coisas sem supervisão. Há muito tempo que ele toma banho sozinho. Claro está que pelo menos uma vez por semana, tinha o cuidado de o ajudar e supervisionar como está a correr. No entanto, com o nascimento da Estrela, a supervisão deixou de ser tão frequente. Digamos que estive um mês sem supervisionar esta tarefa.
Quando regresso à minha função de mãe supervisora (ahah) reparo que durante este tempo ele se transformou em águia!!
OMG! Entre o pensamento dividido: não sei se rio ou se choro, o meu cérebro deu sinal vermelho: NUNCA MAIS FAÇAS ISTO!
E o que fiz afinal?! Como lhe cortava sempre as unhas dos pés depois do banho, ele estava com elas enormes. Bem... São coisas que acontecem. As das mãos ele tem roído, por isso, as dos pés ficaram esquecidas.
É triste, é triste. Até que pontos uma mãe deixa o filho assim? O que vale é menino, e o que vale é Inverno. O pior é mesmo fazer natação. ahahah Mas por acaso até nem tem sido assim tão assíduo, e ainda não rasgou nenhuma meia para dar o alerta... 

São coisas do quotidiano. Lembram-se de termos falado sobre Realidade versus Expetativa?! É isto mesmo. Tentamos, tentamos, mas nem sempre temos tudo em ordem.
Por isso, somos pessoas reais. E isso sim, é o melhor que podemos ser. :)
Mas, sejamos pessoas reais com as unhas cortadas, está bem? :)




terça-feira, abril 25

Vamos colaborar? [Investigação: o choro dos bebés]

Olá mamãs,
 
Este post é dirigido, especialmente a mães com bebés dos 0 aos 3 meses (ou pais, o que importa é serem os cuidadores).
A Ariana é aluna de Mestrado, na área da Psicologia Clínica e da Saúde, na Psicologia da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, e enviou-me um email a pedir colaboração para participar no estudo que ela está a desenvolver.
O objetivo é compreender o "Choro dos bebés". Em traços gerais, ela pretende:
 
1) relacionar a quantidade de choro dos bebés com a avaliação da experiência da maternidade;
2) relacionar a quantidade de choro dos bebés com o tempo de resposta ao mesmo;
3) relacionar o apoio do pai do bebé com a perceção materna do choro (isto é, se é mais preocupante ou não). 


É a primeira vez que, em Portugal, tentam estudar em simultâneo o choro dos bebés e a resposta por parte dos cuidadores.
Por isso, vamos ajudar a aumentar o conhecimento científico sobre este assunto que muitas voltas nos dá à cabeça nos primeiros 3 meses de vida dos nossos bebés?
 
Para responderem basta clicar no título do estudo:

Choro dos Bebés - Questionário
 
Em meu nome e da Ariana, obrigada a todos os que colaborarem.
 

segunda-feira, abril 24

A carta que todas as pessoas precisam ler...

Minha princesa,
Hoje, todos olham para ti e te chamam de princesa.
Hoje, todos olham para ti e admiram a tua beleza, a tua serenidade.
Mesmo nos dias em que estás mais aborrecida, a protestar com cólicas ou outra coisa qualquer, todos adoram esse teu jeito de mostrares ao mundo que não estás bem.
Hoje, todos querem pegar em ti ao colo, acarinhar-te, abraçar-te, suportar as tuas dores.
Hoje, todos fazem uma pausa para te cumprimentar, mesmo sem te conhecer.
És tão pequenina e já és tão importante, não só para nós, mas para toda a gente em redor.
Adoraria dizer-te: vai ser sempre assim.
Adoraria dizer-te que todas as pessoas irão ter esse cuidado todo contigo para sempre.
Adoraria dizer-te que toda a gente olhará para ti como a mais bela, como uma princesa, que todos compreenderão sempre tão bem as tuas dores e estarão sempre disponíveis para te dar um colinho ou aconchego.
Adoraria dizer-te que sempre serás entendida quando te manifestares e mostrares ao mundo que não estás bem ou que te faz falta algo.
Adoraria, meu amor. Adoraria. Mas, não o posso fazer.
Como tua mãe, tenho que te preparar para a realidade. Serás sempre a minha princesinha, estarei sempre aqui para te dar um colinho ou um aconchego, estarei sempre aqui para compreender as tuas dores e as tuas manifestações, e para em todas elas te apoiar.
No entanto, o mundo não está preparado para te acompanhar para sempre da mesma forma que o fazem hoje, ao ver-te assim, tão pequenina.
Tu vais crescer e as pessoas aos poucos vão afastar-se de ti. À medida que fores crescendo, as pessoas deixarão de te cumprimentar quando te virem chegar. À medida que fores crescendo, as pessoas deixarão de enaltecer as tuas qualidades, a tua beleza, a tua serenidade.
À medida que fores crescendo, as pessoas deixarão de compreender que poderás não estar sempre bem, e que terás necessidade de mostrar a tua opinião.
À medida que fores crescendo, as pessoas deixarão de te chamar de princesinha, de bonequinha. Serás para elas uma simples menina, rapariga, mulher.
À medida que fores crescendo, algumas pessoas poderão querer mesmo afastar-se, outras olhar-te de lado. Esta distância será proporcional ao teu sucesso.
Não estranhes que tudo isto aconteça.
Sabes, minha princesinha, à medida que fores crescendo, toda a gente à tua volta também estará a crescer. E à medida que as pessoas crescem, tornam-se egoístas, invejosas e incapazes de reforçar as nossas qualidades. Não deveria ser assim, mas é. Não é por tua culpa que isto acontece. É por culpa delas próprias. Nem todas as pessoas têm a capacidade de cultivar o seu amor-próprio, e por isso, têm necessidade de invejar a beleza e as qualidades dos outros, omitindo que as admiram.
Mas tu, meu amor, quero que aprendas o quão importante é demonstrar aos outros que gostamos deles. Quero ensinar-te a chegar e cumprimentar, a elogiar sempre que possível, quero ensinar-te a compreenderes as dores do outro e a apoiares. Quero ensinar-te a seres para os outros como os outros deveriam ser para ti. E, mesmo que isso não aconteça, quero ensinar-te que isso nos faz bem.
Quero que sejas tão feliz, mas tão feliz, que sejas feliz por simplesmente teres tudo o que tiveres, e por teres força e determinação para lutares por aquilo que acreditas, sem olhares para o que os outros têm ou são.
Quero ensinar-te que, apesar da vida não ser tão linear quanto isso, tu terás sempre a melhor coisa do mundo: o amor dos teus pais e do teu irmão.
Amo-te pequena Estrela. Amo-te e sempre irei amar.






Como eu queria ignorar esta dor...

Bom dia!

Como eu queria ignorar estas dores que teimam em não passar... :(
A caminho das duas semanas de repouso. Ninguém merece!
Preciso de uma coluna nova. E não, não é uma coluna de som :p

Mas, há que ter esperança que esta semana vai correr melhor... 
Boa Semana para vocês!