segunda-feira, janeiro 7

Boa Semana #1

Nada melhor do que isto para começar a primeira semana integral do ano novo.
Boa Semana!

Fonte

domingo, janeiro 6

2019

Quatro dias depois da noite mais longa do ano, vim até aqui para atualizar este cantinho.
Em outros tempos, por esta altura, desejaria escrever 365 posts. Como os tempos mudaram e a minha forma de encarar muitas coisas também, só desejo que nos possamos manter todos por aqui. Que seja um ano Feliz!

Bom Ano!!


terça-feira, dezembro 18

SER MÃE NOVA ENSINOU-ME…


O facto de ter sido mãe nova ensinou-me muita coisa. Fui mãe numa altura em que nenhuma outra amiga o era. Aliás, as minhas amigas têm filhos mais próximos da Estrela do que do Gabriel. Por isso, fui mãe durante muito tempo sem poder partilhar experiências com as minhas amigas de longa data … Em contrapartida, fiz amizades por ser mãe. E isso é maravilhoso. Mas, até isso acontecer andei uns tempos perdida, sem noção de como seria a realidade de outras mães…
Os meus inícios como mãe foram lindos, mas foram muitas as inseguranças, dúvidas, medos e incertezas que passavam por mim…
A amamentação, os dentes, a entrada na creche, as primeiras papas, a mudança de quarto, as primeiras palavras, a retirada da fralda… Todas aquelas etapas iniciais, das quais qualquer mãe de primeira viagem tem receio, eu passei-as sem ter uma amiga para partilhar experiências, sem ter uma amiga que me orientasse, ou apenas dissesse “tudo tem um jeito natural de acontecer”. Não lamento que isso tenha acontecido. Estou apenas a constatar um facto. Felizmente, sempre tive uma forte rede de suporte junto de mim e, nos momentos em que mais precisei, eles estiveram lá, para me apoiar.
Mas, não posso deixar de dizer que senti falta de ter alguém a quem confiar, a quem escutar, ou simplesmente alguém a quem possamos contar os nossos medos, mesmo que esse alguém se ria na nossa cara. Tudo isso faz falta e faz parte de um processo natural…
Mas, como fiz tudo ao contrário (ao contrário do que a maioria faz), muitas foram as vezes em que tive que aguentar as consequências dessas alterações de percurso. Ao mesmo tempo, foi também isso que me fortaleceu e contribuiu ainda mais para uma visão simplista das coisas… Não há segredo para viver a maternidade sem peso na consciência. Há apenas que a viver, olhando para as coisas da forma mais natural possível. A forma como encaramos cada situação será um ensinamento para os nossos filhos. E, o que para nós é natural, para eles também o será. Afinal, é assim que estão a aprender. Se nos tivessem ensinado que o verde é azul, não iriamos jurá-lo e defende-lo para o resto da vida? É mais ou menos a mesma coisa… (mais ou menos, vá).
Se encararmos cada etapa como algo simples, natural e positivo, eles irão aprender que realmente é assim. E, de facto, não faz sentido que seja de outra forma. Vai doer? Vai. Vamos chorar? Vamos. Vamos ficar muitas horas acordadas? Claro que vamos. Mas, se olharmos para todas elas com gratidão, veremos que afinal não foi assim tão difícil...



segunda-feira, dezembro 17

Eu sou do tempo em que uma imagem valia mais do que mil palavras.


Digo “sou do tempo”, porque agora não é bem assim.
Antigamente, uma foto servia de prova para qualquer coisa.
Antigamente, uma foto resumia histórias sem fim, recordava momentos e pessoas que fizeram parte de toda uma época ou data especial.
Antigamente, bastava uma foto para que nunca mais esquecêssemos tudo o que aconteceu naquele dia…
Com uma foto recordávamos o quão feliz fomos naquele lugar, recordamos que ali ao lado vivia alguém, que agora está longe, com o qual, naquela rua, brincávamos ao peão…

Eu sou do tempo em que bastava uma foto para que uma parte da nossa história ficasse registada, tal qual ela existiu.
Hoje em dia, não é bem assim.
Hoje em dia, registam-se fotos maravilhosas, momentos perfeitos e pessoas felizes.
Hoje em dia, as fotos são criadas e recriadas vezes sem conta, por pessoas de todos os cantos do mundo. São recriadas em locais idênticos, independentemente de a foto ser registada em Portugal ou na China.
Hoje em dia, as fotos são alteradas antes de se tornarem fotos palpáveis. Vagueiam na internet e fazem-nos desejar ter fotos iguais…
Mas, elas não nos dizem nada. São captadas em datas planeadas, locais selecionados com precisão. São adornadas de pormenores que não utilizamos no dia-a-dia e, que muitas vezes, nem fazem sentido existirem no mesmo local.
Hoje em dia, as fotos são lindas e maravilhosas, mas não nos contam nada. Nem uma história. Nem o momento que vivemos.
Elas não nos dizem nada sobre as pessoas, com as quais passamos a tarde, ou o dia, ou as férias. Porque, por vezes, as pessoas que acompanham estas fotos só servem para isso mesmo, acompanhar.
Os cenários são fictícios, as roupas emprestadas e as pessoas transmitem emoções que se sentem obrigadas a partilhar.
Tudo é perfeição, tudo é mágico, tudo é um sonho que parece real.
Mas, faltam-lhes conteúdo, história, memórias…
Faltam-lhes o essencial. Por isso, hoje em dia, as fotos não valem mais do que mil palavras… Mas, antes valessem.


PS: Claro que há exceções em ambas as situações. Mas, entendedores entenderão. (ahah)