terça-feira, julho 25

Missão Cumprida! 6 meses de Amamentação Exclusiva. #1

Escrevi este post, como sempre faço, sem reler. Por isso, apenas dei aos dedos e ao coração e registei como foram estes 6 meses de amamentação exclusiva.

Como disse no último post, a Estrelinha já completou os seus 6 mesinhos de vida. Parece incrível como já está com meio ano. MEU DEUS! Parece que foi ontem que a vi pela primeira vez. Parece que foi ontem que senti o seu cheiro pela primeira vez. Parece que foi ontem que a Estrelinha veio ao Mundo para nos fazer ainda mais felizes. Mas não. Não foi ontem! Foi há 6 meses!
Durante a gravidez havia uma coisa que tinha em mente: completar os 6 meses de amamentação exclusiva, tal como recomenda a Organização Mundial de Saúde.
Com o Gabriel, chegamos aos 4 meses de amamentação exclusiva. Não fomos mais longe porque, a mãe que acabara de nascer (eu, por sinal), nada ou pouco sabia sobre este mundo da amamentação. Mas, 7 anos depois, foram muitos os ensinamentos e partilhas que chegaram até mim (e que eu, obviamente, procurei).
Por isso, desta vez, mais do que objetivo, eu tinha esta meta como uma missão! Queria, porque queria, porque é melhor para a Estrelinha, chegar aos 6 meses de amamentação exclusiva. E, consegui! No dia que a Estrela completou os 6 meses, eu deliciei-me em cada mamada. Observei atentamente cada movimento de sucção, cada olhar, cada gesto. Durante estes 6 meses, posso dizer que me realizei e contribui em muito para que a nossa princesa possa crescer mais forte e mais saudável. E, isso é tudo!
Sobre estes meses: não posso dizer que foi super fácil, mas também não chego aqui com uma história complicada para relatar. Uma das coisas que tento sempre encarar é a naturalidade. Para mim, tudo é natural. Nada acontece por acaso. E isso ajuda-me sempre a compreender as coisas menos boas e mais difíceis.
Depois de decidir amamentar, sabia que havia risco de ter dor, mastites, febre, noites mal dormidas, cansaço, e por aí fora…
Mas, a minha vontade de amamentar era superior a tudo! E já vão perceber que sim.
O início foi atribulado. A primeira noite, aiii que noite! Por razões que não pude controlar, acabei por permitir que a Estrelinha passasse a noite “agarradinha” à mama. Isso custou-me umas boas feridas no mamilo, que vieram comigo para casa. Com os mamilos em ferida, os primeiros dias doeram. Imaginem uma ferida aberta, e coloquem alguém a suga-la. Dói só de pensar, não? Imaginem sentirem isso, de duas em duas horas, durante uma semaninha. Aguentariam? Claro que sim! Se a vossa consciência vos dissesse que tudo é passageiro e que isso seriam apenas meia dúzia de dias em muitos meses que viriam a seguir. J Primeiros dias passados e tudo se recompôs. A Estrelinha desde cedo foi uma boa mamona. Nada de chupetas, só maminha. Maminha para alimentar, para consolar, para mimar, para tudo! Claro está, que as noites são, por vezes, passadas com as mamas de fora. Mas, se é para ser, que seja! J
A segunda dificuldade aconteceu aos 3 meses. Estaria tudo em modo cruzeiro, quando a minha coluna decidiu revoltar-se. Acreditem que estas dores foram muito piores que o trabalho de parto. Preferia mil vezes ter um filho a passar por isto novamente. Mas, a minha missão – amamentar até aos 6 meses – mantinha-se firme e forte. Contra as indicações médicas de melhoria, que passavam por fazer medicação incompatível com a amamentação, preferi continuar ali, com toda a firmeza e dores, claro está! Mas, nada de tirar a maminha à minha princesa. Foram 3 meses de sofrimento (sim, estas dores foram horríveis, mas não foram capazes de me tirar do meu caminho!).
Aos 6 meses, dei por mim a relembrar que metade deste percurso foi difícil, porque simplesmente tinha adoecido e precisava de medicação diferente da que poderia fazer. Mas, tudo o que é mais difícil é certamente mais importante. Por isso, ter chegado aos 6 meses de amamentação exclusiva é uma vitória! É algo que me deixa mesmo muito feliz.
Como já disse a amigos, todos temos uma missão na vida. E, por muitos obstáculos que existam, é importante nunca abdicarmos das coisas que acreditamos. É importante continuar a lutar por aquilo que queremos, pelos nossos princípios, pelos nossos sonhos, pelas nossas metas. Só assim conseguiremos chegar à meta mais realizados do que nunca.
Estrelinha, tem sido um privilégio ter-te junto a mim. Conseguir alimentar um filho e vê-lo desenvolver-se tão bem é algo indescritivelmente maravilhoso.
O cansaço pode não permitir-me transcrever o que sinto da forma mais simples, mas quem já o fez saberá exatamente como me sinto. Parabéns à Estrelinha. Parabéns a nós, mães, que abdicamos de tudo para alimentar os nossos bebés.
Se estiverem neste processo, ou se estiverem a preparar-se para iniciar a amamentação, não desesperem. Tenham calma, porque tudo se resolverá. E, por mais obstáculos que possam surgir, não se esqueçam que nada acontece por acaso. E, daqui a uns meses, o que serão meia dúzia de dias em meia dúzia de meses, ou até mesmo em meia dúzia de anos ou décadas de existência?! ;)
Keep calm… and amamenta sem parar! J

Missão


segunda-feira, julho 24

Pensamento do dia




Parabéns à Estrela pelos seus 6 meses

No passado dia 12, a minha princesinha completou 6 meses. Comemorar esta data foi algo muito, mas mesmo muito especial.
Apesar das dificuldades com as quais temos lidado nos últimos meses, conseguimos chegar aos 6 meses com o nosso maior objetivo cumprido. Completamos 6 meses de amamentação exclusiva. Mas, sobre este percurso falaremos amanhã…
Hoje quero apenas registar um pouco do que os seus 6 meses significaram. Muito mais havia a registar, mas hoje vou ficar-me por umas breves palavras.
 



Estrelinha estás a meio do caminho para o teu primeiro aniversário. Estás uma princesa cada vez mais esperta, mais atenta, mais brincalhona. Gostas muito de conversinhas e adoras que te cantem. Adoras o mano e reages a ele de uma forma tão especial que o meu coração enche-se de tanta alegria cada vez que lhe sorris.
Já reconheces o teu nome, já rebolas, já te sentas, começaste a palrar e já estás pronta para iniciar a introdução alimentar.
És uma bebé tão sossegadinha, tal e qual te desejei, mas como não acreditava ser possível.
Não imagino estes 6 meses de outra forma que não seja abraçar-te, beijar-te, mimar-te…
És uma princesinha tão maravilhosa que eu só poderia ser a mãe mais feliz do mundo.
Estes teus 6 meses, nossos 6 meses a 4 têm sido incríveis. Contigo, tenho (re)aprendido tanta coisa. Somos tão frágeis e tão ingénuos quando nascemos, que a nossa missão de pais só pode mesmo ser ensinar-te tudo da forma mais simples. Queremos que possas crescer e continuar a apreciar as coisas boas da vida, com esse mesmo olhar ingénuo e espantado com o qual observas tudo em teu redor. Tudo é tão simples para ti quando estás perto de nós. Tudo fica muito mais fácil quando estás aconchegadinha a nós. Desejamos que assim seja para sempre. Terás sempre o nosso abraço mais apertado, o nosso sorriso mais sincero, as nossas palavras mais carinhosas.
Tudo vale a pena por ti. Cada olheira, cada noite mal dormida, cada tarefa que ficou pela metade. Por ti, para aproveitar cada dia teu, tudo vale a pena. Vale a pena abdicar de tanta coisa para viver ao máximo o teu início de vida.
Estrelinha, Parabéns pelos teus 6 mesinhos. Espero que te tenhas sentido tão feliz quanto nós.
 

sexta-feira, julho 14

Recomeçar?

Sempre acreditei em recomeços. Sempre acreditei que a cada dia que nasce, em cada dia que acordo, terei uma possibilidade de fazer algo diferente, de fazer algo melhor.
Em cada tropeço, em cada dificuldade, sempre estive pronta e disponível para recomeçar.
A esperança sempre foi um dos ingredientes mais abundantes na minha vida. Durante estes meses em que quase a perdi, também me enchi de novas conquistas.
Por isso, não querendo entrar em pormenores para já, vamos ao que interessa. E, o que me interessa, neste momento, é correr atrás do "prejuízo": É acordar e recomeçar!
Bora lá?!


Recomeçar



segunda-feira, julho 3

O dia-a-dia de uma pessoa com dor.

Todos nós reconhecemos a importância que a saúde tem na nossa vida. Mas, só quando passamos por situações em que a saúde nos falta, compreendemos a diferença que ela faz no nosso dia-a-dia.
Por cá, contamos com mais de 2 meses e meio de dores diárias. Até que ponto uma simples dor, localizada, pode afetar a nossa vida? Nunca tinha parado para pensar sobre isto, até ser obrigada a vivê-lo na primeira pessoa. Sei que existem consultas específicas para pessoas com dor crónica, e que este tipo de dor pode provocar depressão. Mas, não tinha consciência do porquê.
Viver diariamente com dor afeta tanto, mas tanto, a nossa vida. De tantas experiências que já tive, esta é sem dúvida, aquela que desejo nunca mais se repetir.

Quando a dor surge, ficamos na esperança de que vá passar. Ficamos na esperança de que um comprimido aqui, uma injeção ali, possam resolver a situação.
No entanto, à medida que os dias passam, e os comprimidos e injeções não fazem o efeito desejado, começamos a recear o dia seguinte.
Adormecer com dores, na esperança de acordar sem elas no dia seguinte passa a ser uma realidade.
Mas, os dias vão passando, e nada disso acontece.
Então, é aí, que temendo que a dor não queira desaparecer, ficamos até com medo de acordar a cada manhã, e ter que sentir toda a dor novamente.
Paralelamente, à medida que a dor persiste, vamos afastando-nos das coisas que fazemos habitualmente, na esperança de que, sem esforços, correria ou preocupações, a dor possa finalmente desaparecer.
Mas, mesmo assim, e já a entrar numa fase de quase desespero, a dor não nos diz adeus.
A dor permanece, e naqueles dias em que parece estar menor, lá vem um pico de dor que nos deixa de rastos.
Conviver com dor é realmente uma coisa terrível.
Há dias melhores, há dias piores, mas a dor tem capacidade para nos retirar a nossa própria vida, nos afastar do nosso percurso e nos distanciar dos nossos objetivos.

A dor ainda não passou. Depois de tudo isto, e de chegar ao meu limite, de ter dito BASTA, preciso de uma solução urgente! fiz exames, procurei imensos especialistas, e mesmo não havendo esperança, vou tentar focar na fé e acreditar que não hei-de passar o Verão todo nisto.


Boa Semana!

Fonte

sábado, julho 1

Life goes on...

Que sejamos capazes de retirar lições em cada obstáculo com o qual nos deparamos.
Se tinha algo para aprender com este, acredito que já o aprendi. Agora, estou mais do que preparada para o ultrapassar.

#esperança #recuperar #bepatient #believe

Fonte